top of page
  • Foto do escritorNilto Tatto

ARTIGO: PERDAS E DANOS



Terminada a COP27, o maior encontro do mundo para debater as Emergências Climáticas, é hora de fazer um pequeno balanço do que foi extraído do evento que reuniu chefes de Estado de quase 200 países, representantes da sociedade civil organizada, da imprensa, acadêmicos e cientistas. Quais foram os avanços no enfrentamento ao aquecimento global? Houve retrocessos?


As perguntas que ficaram no ar não foram todas respondidas nas duas semanas de evento e portanto, não poderão ser respondidas neste pequeno artigo, mas podemos ter uma ideia geral do que aconteceu e do que está por vir. Além da presença ilustre do presidente Lula e da ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, talvez as duas figuras mais aguardadas do evento, tivemos como destaque a aprovação de um acordo sobre “perdas e danos”, um tema que vinha sendo discutido há aproximadamente 30 anos.


O texto votado e aprovado no fechar das cortinas, prevê a “criação de novos mecanismos de financiamento para ajudar países em desenvolvimento que são particularmente vulneráveis aos efeitos adversos das mudanças climáticas.” A proposta busca “novos arranjos financeiros”, indo ao encontro de iniciativas como mercados de carbono e uma diversidade de fontes que pode incluir bancos multilaterais e seguradoras.


Segundo o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, “um fundo para perdas e danos é essencial, mas não é a resposta se a crise climática varre do mapa um pequeno Estado-ilha ou transforma um país africano inteiro em deserto”. Além disso, a mera criação de um fundo também não significa o reconhecimento e a inclusão de atores como os povos originários. Hoje sabemos que não se pode falar em pagamento por serviços ambientais, sem incluir estes grandes parceiros na conservação ambiental.


Questões relativas à gênero e raça, que estão diretamente ligadas ao modelo de sociedade que vivemos e portanto à crise climática, também ficaram em segundo plano. Estes são apenas alguns dos nós que ainda precisam ser desatados e que demandam um olhar mais humano sobre uma questão que diz respeito à toda forma de vida no Planeta.

Comments


bottom of page