BRASÍLIA - Câmara dos Deputados anexo III gab. 267 Pça. dos Três Poderes
CEP 70160-900  Brasília - DF Fone: 61 3215-3267 / 3215-5267 

SÃO PAULO - Rua  Major Sertório, 200 Conjunto 402 - Vila Buarque
CEP: 01222-001 São Paulo - SP Fone: 11 3129-7492 

E-mail: dep.niltotatto@camara.leg.br

  • Nilto Tatto

ARTIGO: WATER MORO DALLAN GATE



A matéria publicada neste domingo pelo portal The Intercept Brasil, sobre a cooperação entre o então juiz federal, Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol durante a operação Lava-Jato, é mais um indicador da parcialidade no processo que levou à prisão o ex-presidente Lula. As mensagens divulgadas pela equipe do premiado jornalista Glen Greenwald, revelam o maior escândalo jurídico-político do ocidente, superando o caso Watergate, que em 1974 levou à renúncia do presidente estadunidense Richard Nixon.


Para quem não se lembra, Nixon foi condenado pela Suprema Corte dos Estados Unidos a apresentar gravações que comprovariam seu envolvimento em um assalto à sede do partido rival. O diretório havia sido invadido e grampeado durante as eleições de 1972, cujo resultado conduziu o acusado à presidência da República. A condenação levou à abertura de um processo de impeachment, que só seria encerrado com o pedido de renúncia de Nixon.


Ainda que as notícias relativas ao Brasil não tenham a mesma projeção internacional do que acontece nos EUA, tudo indica que o processo que levou à prisão de Lula seja ainda mais escandaloso do que o famoso crime no vizinho do Norte. Isso porque não se trata apenas de espionagem, ou de grampos ilegais, embora a Lava Jato também tenha utilizado destes expedientes, mas de práticas ainda mais graves: a cooperação entre a acusação e o juiz no processo que condenou o líder na corrida presidencial de 2018.


Os trechos das conversas entre Moro e Dallagnol escancarados por The Intercept revelam troca de pistas; sugestões de fontes; conselhos; broncas e até antecipação de decisões para os procuradores. A matéria bombástica veio à tona poucos dias após da defesa de Lula reafirmar outro crime da força-tarefa: a interceptação de conversas entre o ex-presidente e seus advogados, delitos que nas palavras do procurador e do juiz, “não vem ao caso”. Para quem defende a justiça e a democracia, no entanto, está claro que Lula Livre é a única solução que vem ao caso.


4 visualizações
  • Facebook ícone social
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube
  • WhatsApp-icon